15.8.07

NORTE MAGNÉTICO

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Desde miúdo que corro para sul, descurando esse pedaço estranho e gelado do mundo. Há muito muito tempo que o norte me atravessava a garganta. A visita à Islândia não serviu para desfazer o nó. Regresso com o país atravessado, a pedir uma revisita assim que a carteira ganhar equilíbrio. A bússola pessoal, que tenho dentro de mim, até aqui avariada, apontando para sul, ganhou um novo ponteiro que aponta para cima.

ESTRANHO VERÃO
Há uma pergunta óbvia, instantânea, quando se chega à Islândia em Julho e se é abraçado por uns refrescantes 13/15 graus: como é possível viver aqui no Inverno? De repente, damos connosco dentro de uma loja, à procura de um gorro que nos aqueça as orelhas e a moleirinha. Enquanto o sul do mundo descasca ao sol, andamos nós à procura de lã que nos aqueça. O sol da Islândia, no Verão, é como o sol de Janeiro do sul da Europa: áspero, quase morno. Quase que tem força para nos queimar, mas não para nos aquecer. A sombra, aos nossos pés, é sempre mais comprida que nós e acompanha-nos vinte horas por dia.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

CIDADES INTERINAS
Vistas do ar, as cidades islandesas parecem um estaleiro da Soares da Costa. As habitações pré-fabricadas, dispostas em ruas onde tudo está no lugar – até as ervas daninhas – dão-lhes um aspecto provisório. Talvez quem aqui vive pense um dia fugir, desmontar a casa e voltar a erguê-la num local menos inóspito.
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

JANELAS
Foi um dos muitos aspectos curiosos anotados no bloco. As janelas islandesas não abrem por completo, como as do sul do mundo. Apenas uma nesga, para deixar entrar o ar. Em Julho, quando o sol desarrefece um poucochinho o ar, abrem-se as portas, fazem-se festas, bebem-se uns copos para festejar o pouco frio.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

CONCEITO DE NOITE
Na Islândia, no Verão, não se podem combinar encontros para “logo à noite”, pois o dia nunca acaba nesta parte do mundo. “Sair à noite” em Reikjavic é, acreditem, uma experiência estranha – no mínimo! Estar à porta de um bar ou discoteca iluminado por luz natural é... não sei o quê!

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Noctívagos (existe a palavra diurnívagos?) à porta de discoteca

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
O sol da (quase) meia-noite, como comprova o relógio da viatura, atrasado seis minutos

CHEIROS
A Islândia cheira às entranhas da terra. Em poucas partes do mundo a actividade vulcânica se deve sentir de forma tão intensa como aqui. A ilha é terra mais jovem do planeta – ainda está em formação.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Lama borbulhando

VIAGEM AO CENTRO DA TERRA
A mais bela viagem pode começar numa das muitas crateras “espalhadas” pela ilha. Juro que apetece fazer como Lidenbrock e Axel (Viagem ao Centro da terra, Júlio Verne). Meter um frontal na cabeça e ir por aí abaixo ver de que é feito o planeta.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Basalto. Terra fresca, acabada de "fazer"

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Geyser. Talvez o mais conhecido cartão de visita da Islândia. Bizarro, como quase tudo o resto.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

ARREPIANTE
A Islândia é como uma montanha russa. A cada curva um novo arrepio. Após cada subida, uma descida vertiginosa que nos faz gritar de histeria. Levava as expectativas muito altas. O que vi superou em dobro, em triplo, em quádruplo essas expectativas.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Lagoa Azul, outro do “postais” da Islândia. Aviso a eventuais turistas: não vale a pena pagar para entrar. O que há para ver vê-se de fora.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Atlântico norte. Em busca das baleias. Os operadores turísticos em Husavik dão 80% de chances de se ver os cetáceos. Calhei nesses 80% e vi uma Mink.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Pufins. Uns patarocos e simpáticos animais, meio gaivota, meio pato! Com asas compridas e pernas curtas.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

5 comentários:

African Queen disse...

Fiquei sem palavras :). Eu também tenho o síndrome do Sul e também abandono uma parte significativa do mundo por motivos fúteis como o frio, a chuva a falta de vida ao ar livre e alguns preconceitos também como o facto de achar sempre que as pessoas a norte são frias como o ar, fechadas e têm uns horários muito esquisitos que desprezam a noite. O facto de alguem que sofre da minha doença ter tido coragem de ir e gostar do norte surpreende-me e dá-me esperança: um dia destes (depois de conhecer toda a África, América latina e o sul da Ásia :))eu também vou lá!... claro que as fotos extraordinárias também ajudam.

rei dolce disse...

mais vale ser como eu, gostar dois dois lados, encontro sempre afinidades onde estou.
No ano passado fui á Dinamarca e percorri as suas zonas rurais, e acreditem é bem diferente do que estamos habituados, é tudo tão organizado!
lá para os fins de setembro conto ir para cuba, ou cabo verde, vai ser bem diferente mas vou gostar, não tenho duvidas.

Csm disse...

Acabam-se de ler as palavras, de ver e rever as imagens... respira-se fundo e pede-se mais!! Que maravilha, Jorge!!!
Se agora o tempo é de trabalho, pois bom trabalho! Nós vamos revisitando África (e não só!) aos teus olhos e palavras...
Beijo

Luís Leal Pinto disse...

Síndrome do Sul! Curiosa patologia, que, de facto, sofres (desde puto)! Eu acho que a minha bússola não sabe às quantas anda e que esse conceito, quase filosófico, de norte magnético de que falas ajuda neste contexto.
Quem sabe se daqui a algum tempo não nos descreves as peculiaridades do norte num blog tipo "nortadas" ou "nortanidades" à boa maneira que nos vens habituando!
Um grande abraço.
"Hasta siempre"

Elvas disse...

Eu tanto gosto do Norte como do Sul... mas tenho um fraquinho pelas cidades marítimas do Norte de Portugal e da Peninsula Ibérica.