13.12.07

ALEMBANE – dois mundos

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Acorda-me o coração, descompassado. Cheira a coentros e a maresia. Onde estou? Casas baixas, pintadas da cor que calha. Mas pintadas. Casas autênticas de gente que, tal como no meu país, mesmo não tendo dinheiro para comida o arranja para a cal.

Inhambane, a mais cuidada e bem conservada cidade de Moçambique. Uma baía que a abraça entre o amarelo da areia na maré-baixa e o turquesa do mar, 6 horas depois. Maxixe que a observa, de frente, para não a deixar fugir… Dow’s (barcos à vela) que lhe dão um movimento ondulante e cadente, como toda a harmonia que aqui existe. Gente simples que, nos intervalos da desgraça que é, por vezes, a vida de africano, apara relvados, planta roseiras, tapa buracos e poda árvores. Quanta excelência, que demorei tantos anos a conhecer.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Muita-terra-muita-terra
Inhambane tem passeios finos, cheios de lisuras como poucas (nenhuma?) cidades de província em África. E uma estação de comboio. Já não há silvos de partida nem travagens de chegada, mas acredito que na estação ainda existam – pelo menos pelo menos – um chefe e um factor, que na ausência de horários a cumprir e agulhas para trocar, vão mantendo brancas as paredes, para iludir a locomotiva no dia em que tornar a passar. Até os carris, que reluzem ao luar, parecem ser encerados de quando em vez.


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Um delta de Campo-Maior e uma 2M do Maputo. O melhor de dois mundos

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Inhambane: conhecê-la é sucesso a celebrar o resto da vida

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Num banco de madeira vermelha ou de cimento caiado, na marginal, apetece ficar, no mínimo, todos os restantes dias do mundo a ver passar… dow's (ou serão navios?)

2 comentários:

Anónimo disse...

Pena se um dia, nessa terra as pessoas se esquecem como se diz "potato" em portugues.

Há quem diga que está para breve.

Nesse caso não terá valido o esforço.

Alentejano de Elvas disse...

Que bonito...parece um bocadinho de um Alentejo tropical... Se o Alentejo fosse tropical seria assim! E ainda por cima com a Delta aqui ao lado e aí tão longe!Uma maravilha, para os que têm a sorte de viver estes sítios!