12.3.07

MEDICINAS

Tenho um desaguisado antigo com um certo tipo de médicos que trabalham no Instituto de Medicina Tropical, em Lisboa. Já aqui o assumi, depois de certo amigo, pela primeira vez em África, ter sido aconselhado a viajar para estes trópicos de gola alta (ridículo!), botas por cima das calças (estúpido!) e camisola grossa, de noite, para proteger dos mosquitos (idiota!).

Há lá pelo Instituto muita gente competente, avisada de África, conhecedora da realidade. Mas há também muita maçariquice, por parte de um certo tipo de gente que (arrisco a dizer) nunca foi nem sequer à Trafaria, ali em frente, do outro lado do Tejo.

Uns amigos que por aqui passaram na última semana, confessaram-me que a médica que os (des)aconselhou, no Instituto, lhes perguntou a certa altura onde ficariam instalados. Perante a resposta (“ficaremos em casa de amigos”), a doutorazeca disse:

- Então têm que ter mais cuidado ainda, porque essas pessoas que vivem em África têm a mania que nada lhes faz mal.

Néscios comentários como este provocam dois tipos de reacções:

- uma, menos grave: um sorriso, por parte de quem aqui habita, pois de facto África não é papão de boca larga à espera da melhor oportunidade para comer tenros ocidentais!
- outra, mais grave: constrange quem viaja, obrigando as pessoas a adoptarem atitudes e comportamentos que afectam as suas férias (há quem traga água de Portugal e só beba dessa, desconfiada da água engarrafada que aqui se vende).

Na falta de camas em hospitais psiquiátricos para estes médicos, sugiro que sejam enviados para África. Desta forma poderiam: por um lado conhecer na prática a realidade local; por outro dar consultas de “medicina ocidental” aos que cá moram (os tais que “têm a mania que nada lhes faz mal”), antes de estes efectuarem viagens para a Europa.

Os verdadeiros perigos para a saúde dos viajantes estão lá, no primeiro mundo. Em primeiro lugar no plástico que se come e bebe. Depois, nas opiniões de médicos como estes.

2 comentários:

Debaixo do Bulcão disse...

Este blog é um bom exemplo do que se pode fazer com a internet para dar força a uma "globalização alternativa" que - em vez de massificar a estupidez - crie elos de ligação entre povos, culturas e conhecimentos.
Se me permite, vou "linká-lo" no meu blog
vitorinices.blogspot.com

António Vitorino (não, não sou o comentarista ex-comissário europeu)

PS: conheci este blog através do Aqui d'Algodres

zarolho disse...

Imagino até que, depois de uma consulta lá, para quem nunca tenha ido a África, com os conselhos todos que ouve continuará sem ir a África! Boas fotos no post anterior!