14.1.07

CONTRA OS ESTRANGEIROS, MARCHAR... MARCHAR...

Photobucket - Video and Image Hosting
Com Sarkozy, o destino dos estrangeiros em França é apenas um.

Parecia Le Pen… Nicolas Sarkozy, à boa maneira populista, manifestou-se contra os pretos, os vermelhos, os amarelos e todos aqueles que não são europeus. No seu discurso de entronização como candidato do centro-direita francês, o ainda ministro do interior afirmou:
- “Shengen é nosso. Quem aqui quiser entrar tem que, primeiro, pedir licença.”

As bárbaras palavras de Sarkozy contra os estrangeiros não se ficaram por aqui. O candidato afirmou ainda que “a Turquia não tem lugar na EU.”

Três observações, face a este bizarro discurso:

1 – Sarkozy esquece-se que a França, um dia, permitiu que o seu pai ali entrasse, vindo da Hungria!

2 – Como votarão os franceses emigrantes de segunda geração, que poderem exercer o seu direito dentro de uns meses?

3 – Os estrangeiros contra os quais Sarkozy “luta” também têm políticos capazes de estabelecer para os europeus reciprocidades em vários domínios, um deles as entradas. Exemplo: o Senegal, o delfim francês em África, pondera introduzir a obrigação de visto para os cidadãos europeus.

Por tudo isto (e não só), arrisco desde já uma previsão: o "petit Nicolas", como lhe chamam AQUI, já perdeu.

1 comentário:

Luís Leal Pinto disse...

Concordo em pleno com as tuas palavras, no entanto tenho algumas dúvidas no que diz respeito à sua derrota. Há relativamente pouco tempo, estive em França, junto de um núcleo de emigrantes lusos e Sarkozy não é tão malvisto como se pensa. Os problemas sociais estavam ao rubro nesses dias, tinham passado escassos meses da violência nas ruas de Paris e outras cidades, e eu nunca vira tanto mal-estar social em toda a minha vida...para não falar de algum medo. Apesar da sua postura populista, o ministro do interior agregava consenso na sua luta contra a "escumalha", como o próprio apelidou os jovens...
Há uns anos, na Alemanha, nas eleições de 33, também ninguém acreditava que o partido nazi ganhasse...
Aquele abraço